sábado, 21 de maio de 2011

Universo Paralelo





E há alguém que sente o mesmo que eu, eu sei que há. Alguém que sabe exatamente como eu me sinto, que sabe cantar a minha música, que sabe ler meus olhos. Alguém que sabe a hora de segurar a minha mão e a hora de soltá-la, que respeita meus momentos de estresse, que sabe quando eu não estou bem. Alguém que entende quando eu levanto à noite, caminho descalça até a sala, sento no sofá e coloco as mãos na cabeça - alguém que sabe o motivo disso.
Já pensei na possibilidade da existência de um universo paralelo - com uma pessoa que sabe exatamente o que eu passo pelo fato de também passar por aquilo. Pois imagine você: um universo onde há alguém que sabe o gosto da sua lágrima mais íntima e secreta, que sabe a importância dos seus sonhos mais pequenos, que sabe o que te toca. E nesse universo, quem sabe, esse alguém pode saber dos seus medos mas não se render a eles, esse alguém pode aproveitar oportunidades, pode saber amar na medida, pode amar sem medo, pode amar a pessoa certa, pode não sofrer de graça. Quem sabe lá, além de te entender, alguém pode fazer o que você não faz, pode ser tudo o que você tenta se tornar, uma versão melhorada apesar de sentimentalmente igual. Lá haveria o 'nós' na sua melhor forma, mais feliz, real. Lá os sonhos seriam levados à sério, os sentimentos seriam recíprocos. Os perfumes seriam... eternos. Os sorrisos... eternos. Os amores... eternos. E os abraços? Ah...
Pense nesse universo paralelo, pense nas possibilidades, pense você nos sentimentos que surgiriam lá. Lá, só lá. Aqui não tem como, tudo impede: eu quero não querer e as outras pessoas simplesmente não querem. Não falo só de uma, falo de muitas que me cortam as asas no exato momento em que estou disposta a levantar voo, talvez não por querer, mas me deixam sangrando, com os pés no chão enquanto eu poderia estar no alto, vendo tudo de cima. Que há nesse mundo que não permite aos meus sonhos crescerem? Que há aqui que não me permite sonhar e eu só o faço lutando, sendo forte? Que há em mim que não aceito o que não está de acordo com as minhas vontades? Pois no universo paralelo eu poderia ser feliz porque eu saberia lutar contra toda força que tentasse me prender. Os sentimentos iriam se soprepôr à razão, eu teria permissão para ser eu.
Pensando bem, talvez fosse melhor que não houvesse o 'nós' no tal universo assim como não existe o 'nós' nesse universo aqui. Aqui são imensas as suas possibilidades de ser feliz e eu não me vejo em nenhuma delas, não sei porque insisto nesse sonho. E lá... Tudo tão perfeito, toda beleza tão singela, todo sentimento tão puro, que não teria porque se prender a mim. Que não haja o 'nós' em lugar nenhum então. Que haja felicidade e só. E eu, assim, sorrindo, somente.


Texto enorme, né? Desculpa... Hahahahaha! Faz tempo que eu queria postá-lo, mas agora está aí.